23.6.11

Cruz da Rosa e Pedra dos Cavalos: património a sinalizar na Mata, junto às muralhas da Almedina



Agora (diz-se que no final do mês ) que a arcádica Mata dos 7 montes vai reabrir , nomeadamente o seu percurso arranjado direto ao castelo templário , seria bom que fossem assinalados através de placard informativo (tipo chapa metalica) como os existentes noutros locais da cidade, alguns pontos de interesse junto ao castelo, mais própriamente na muralha externa da Almedina .
Os acessos específicos foram arranjados, a nossa sugestão ao pelouro da Cultura e Turismo o ano passado, a quando da Evocação do Cerco de 1190. E embora tenha crescido alguma vegetação rasteira entretanto, continuam acessiveis.
Trata-se da famosa Cruz da Rosa sobre a porta da Almedina, local de oportunidade para belas fotos da imponência ali das muralhas, vistas de baixo.. e também da singular Pedra dos Cavalos , recém- descoberta...
Aqui se deixam algumas achegas para o respectivo enquadramento.

No 1º caso, por cima da porta, do lado de fora, avista-se em uma pedra ,a cruz pátea da Ordem do Templo , de braços sulcados formando pirâmides, com a data inscrita de 1160 e uma rosa sobre o centro da cruz., (tal como havia na porta do Bom Sucesso no castelo templario de Santarém) . Rosa iniciática também figurando no brasão de armas de Portugal, usado no selo de Afonso Henriques ( março 1135 ) ele próprio se afirmando confrade do Templo. .
Rosa, associada ao sangue de Cristo, fonte de vida, pois afirma o Eclesiastes “a rosa... ao pé da água viva”, simbolo de renascimento místico ou o sol vivo… rosa desabrochada sobre a morte / cruz …marca do Templo simbolizando uma nova vida, regeneração, para aqueles que penetravam intra-muros...
E lateralmente à cruz redonda, na parte superior, encontram-se 2 simbolos...que são uma mensagem espiritual. Potencialmente signos astrológicos ou divinos (o Alfa e o Ómega.)...tal como na porta sul da igreja da comenda templaria de Fonte Arcada há  uma cruz inscrita dentro de um circulo, ladeada pelo sol e pela lua, conjugando poderes apotropaicos e escatológicos.....
A propósito, também no nosso selo (ao antigo) da Templ’Anima, composto por um circulo exterior ,contendo uma cruz templaria ,onde se inscreve uma representação da Rotunda do Templo, se desenharam lateralmente ao Templo esses 2 simbolos crípticos, evocando a simbologia e o mistério da Ordem.... .



Quanto à outra pedra (cuja foto abre esta mensagem, porque menos conhecida) : situada na base dos muros do castelo entre a porta da Almedina e o cubelo que faz esquina com a muralha que vem da torre da Condessa...aqui se encontra singelo dintel, com semelhanças a outro existente na torre sudoeste do castelo templario de Soure.
Onde se afrontam, o cavalo branco /diurno (divino ou de S.Miguel) e o cavalo negro ou nocturno(representado por uma lua) de Satã ...como no Apocalipse de João.
Entre os dois cavalos e aproveitando a forma do espaço disponivel a figura ( uma braçada/ramada serpenteante) da arvore da Vida e/ou do Conhecimento com suas folhas cordiformes (em forma de coração) e 2 pomos no extremo (?) ... portanto, uma outra forma românica (?) de representar a eterna luta/oposição entre o Bem e o Mal... ou quiçá, a bela serpente disfarçada da tentação arrastando os corações humanos do Genesis ao Apocalipse)...
Eventualmente , esta pedra poderia ter estado originalmente sobre a porta de entrada da igreja de S.Maria do Castelo , depois derrubada quando os moradores sairam da Almedina.
Efectivamente no sitio onde está agora, trata-se de um aproveitamento da pedra colocada sobre uma abertura visivel na imagem –ao nivel da base exterior do monumento, mas que tem perfeita correspondência do lado de dentro (no terreno à dextra da Porta da Almedina) ali assinalado/entaipado por um amontoado de pedras ,tapando o buraco- mas aonde é visivel um tecto em abóbada da abertura, com 2m de comprido de um lado a outro da muralha . Que deve ser tardio em relação á epoca templaria (não faria sentido uma abertura junto a uma porta bem trancada segundo os sinais que se vêem dela na pedra )… talvez a abertura seja mais do tempo descrito na Lusitania Transformada , em que a Mata era local de recreio e encontros furtivos de freis ...

Aproveitem e vão até lá gozar o Património de que são todos co-herdeiros... a partir da base da torre redonda da Condessa , contornando o ângulo da muralha a oriente...

1 comment:

DEGRACONIS said...

Boas,
Irei partilhar este interessante post no nosso facebook. Merece!